• OQOONV

Alagoas entre quilombos e quebradas: conheça o escritor Lucas Litrento

Autor venceu Prêmio Delfos de Literatura 2019, organizado pela PUC-RS


Texto: Ana Clara Mendes

Fotos: Vitor Beltrão


Foi no bairro mais populoso de Maceió, o Benedito Bentes, onde ele cresceu, descobriu a leitura e, principalmente, a escrita. Fazia parte da rotina do menino, após a aula, passar horas na extinta Biblioteca Pública Comunitária e se perder entre quadrinhos, contos e romances. A falta de habilidade nos esportes e as poucas opções de entretenimento fizeram com que os livros fossem sua companhia e a escrita seu desafio.


Aos 23 anos, Lucas Litrento tem um livro publicado, intitulado “Os meninos iam preto porque iam” e “TXOW”, que está em processo de publicação. As obras possuem diversos aspectos em comum, entre eles, o toque autobiográfico e o retrato do racismo no cotidiano. A primeira, marcando sua estreia em 2019 pela Imprensa Oficial Graciliano Ramos, é composta por 28 poemas.


"Já tinha alguns poemas, fui revisando e escrevendo outros. Acho que o discurso foi se construindo ao longo dessa união. Mas não é uma reunião de poemas. Existe uma estrutura, um conceito. É mais explícito politicamente, tem um discurso antirracista muito forte", explica o autor, ressaltando que a obra vem de um momento de autoafirmação. "Foi preciso falar sobre a negritude do jeito que eu a enxergo".


Já "TXOW", que recebeu o Prêmio Delfos de Literatura 2019, organizado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) versa, segundo Lucas, o espaço marginal. "Tanto que ele começa com contos que se passam dentro de um ônibus: o Benedito Bentes - Ponta Verde. Quase todos os contos se passam no meu bairro. O olhar periférico pauta tudo o que está no livro. Esse olhar que vem da margem e não se coloca como menor, só se localiza: está no canto. Mas no livro está centralizado. Eu estou escrevendo sobre e para as pessoas do meu lugar", expõe.


Para os jurados da premiação gaúcha, a produção se destacou pela força e riqueza da linguagem, que tem inspirações no Rap. Além disso, eles afirmaram descobrir - por meio do relato do cotidiano das ruas da cidade - uma "Maceió que não aparece nos guias turísticos".

"Há questões de mobilidade, do dia a dia de pessoas que moram na parte alta e trabalham na parte baixa, dos ônibus lotados e da violência. Além da marginalidade, também são colocados temas como masculinidades, o peso do machismo, expectativas sobre o masculino. É um livro que tem muita tensão, os personagens esperam coisas violentas muitas vezes. E também tem o racismo, que muitas vezes serve de motor dos personagens"



Uma longa história


Apesar de escrever desde criança, imitando os livros que lia na biblioteca, a visão de Litrento sobre a literatura começou a mudar somente em 2017, quando iniciou sua participação em cursos de especialização na área. Nessa época, o autor já tinha ingressado na faculdade de Jornalismo na Universidade Federal de Alagoas (UFAL) o que, segundo ele, contribuiu para despertar um tom ainda mais crítico ao seu processo produtivo. “Eu tiro muita coisa da formação para colocar na minha arte. Tenho uma veia cronista e a crítica vem um pouco do Jornalismo”, argumenta.


Nas oficinas de criação literária do Sesc Alagoas, ele teve contato com as obras de Lygia Fagundes Telles e João Antônio, que se tornaram referência no processo de escrita. João, conhecido por retratar proletários e marginais que vivem em periferias das grandes cidades, foi inspiração para TXOW.



Outro incentivador para o autor foi a participação do Coletivo Pernoite de Literatura, que conta com encontros mensais. “Lemos livros e escrevemos sobre eles. Foi um divisor de águas pois aprendi que a literatura não é algo solitário, como o escritor na frente da máquina escrevendo. Acho que esse contato enriquece muito e vem me amadurecendo”.


Para o futuro, o jovem, que vende seus próprios livros guardados na mochila, não se prende à apenas um gênero. Ele transita entre poesias, contos, cinema, crônica e romance. Este último, já em andamento, é intitulado de “Preto na areia branca”, mostra a continuidade na abordagem ao racismo e suas experiências pessoais.


um poema pra dizer quem sou,

como tantos fizeram.

o tema primeiro: nossas entranhas.

papel em branco

estirado no chão frio.

filete de sangue nas margens da página.

saltam letras miúdas,

anúncios de jornal:

procura-se emprego,


Obituário semanal,

JOVEM NEGRO É ASSASSINADO


letreiros e pixos,

um amontoado de palavras

e comandas do mesmo bar.

o poema pra dizer quem sou,

como tantos fizeram,

fala mais do que não sou,

fala mais dos outros.

por isso o papel

é uma folha de jornal

usada como embrulho.


"Autorretrato" de Os meninos iam pretos porque iam


O autor disponibilizou uma playlist para o leitor entender um pouco mais da construção de Os meninos iam pretos porque iam. Basta clicar aqui e escutar!


Sobre
 
Coletivo participativo e ativo de jornalismo independente em Alagoas que busca dar visibilidade às vidas e aos fatos dos que são colocados à margem.
 

@2020 O Que Os Olhos Não Veem

Contato
Envie sua mensagem na caixa de texto abaixo ou escreva para o endereço de e-mail a seguir:
contato@oqueosolhosnaoveem.net

Republique
A matéria e as fotografias devem trazer o nome do coletivo na assinatura do texto;

Títulos podem ser alterados desde que o conteúdo seja fielmente preservado.

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle